Após ministro ser denunciado, presidente do PSL quer ataque a ‘obrigatoriedade de gênero’

Com o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, acusado de desvio de recursos públicos pelo uso de candidaturas femininas “laranjas” na última eleição, o deputado federal Luciano Bivar (PSL-PE) defende mudanças na lei que definiu a cota de 30% das candidaturas de um partido para o gênero minoritário na composição. Bivar é presidente nacional do PSL, legenda do ministro.

 

Para ele, que não vê indícios de irregularidades nas ações do correligionário, a Câmara dos Deputados precisa “atacar a obrigatoriedade de gênero”, a fim de evitar a ocorrência de crimes, como os agora investigados pela Polícia Federal (PF), nas próximas eleições.

 

“As pessoas têm medo de falar, eu também me incluo nessa, porque achamos que vai parecer que somos contra as mulheres. Mas não é isso, precisa explicar: se você perguntar se tem mulher para sair candidata em tudo, não tem. A mulher não quer ser candidata. Vai buscar e não vai achar, e vai ter uma situação díspar. O partido vai colocar o que der para obedecer a regra. Por isso, precisamos mudar a cota feminina”, argumentou o parlamentar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *