Em live, Marcelo Nilo falou sobre pandemia, bastidores das eleições da Alba e afirmou que será candidato a governador em 2022

Em uma live – bem interativa –  com a jornalista Fernanda Dourado,  o deputado estadual Marcelo Nilo, ex-presidente da Assembleia Legislativa da Bahia elogiou o comportamento do prefeito de Salvador, ACM Neto, e o governador da Bahia, Rui Costa, que se uniram para combater o coronavírus, mas atacou Bolsonaro. “Não está à altura do cargo que ocupa”, ao afirma que que os números de mortos  divulgados não são reais. “É conversa para boi dormir que morreu esta quantidade de pessoas. Morreram muito mais”, afiançou  o ex-presidente da Assembleia Legislativa da Bahia ao comparar os Estados Unidos – que realiza  teste para diagnosticar a Covid-19 – diferentemente do Brasil.

Nilo também falou sobre diversos assuntos políticos, dentre eles, as decisões políticas tomadas durante sua trajetória política. Ao  ser questionado por Fernanda Dourado se teria se arrependido de ter deixado o PSL, o deputado disse: “Fui convidado por Wagner para ser candidato a senador da Bahia. Mas não aceitei por que imaginava viabilizar minha candidatura a governador em 2014 pelas condições políticas da época. Tudo mundo sabe que fui um dos maior opositores de Antônio Carlos Magalhães. Eu também fui convidado por ACM Neto para disputar uma vaga ao Senado pelo adversário.  Isso me honra muito. Mas o governador preferiu Rui Costa”, afirmou.

Na live, Marcelo Nilo disse que se arrependeu ao tentar a reeleição pela sexta vez consecutiva à presidência da Alba. “O meu maior erro foi acreditar que o governo me apoiaria pela minha lealdade”, afiançou.

Ao ser questionado pela jornalista Fernanda Dourado se a demora do recuo à disputa da presidência da Alba teria o prejudicado, afirmou: “Todos os deputados me apoiavam. Modéstia a parte. Eu era imbatível. Eu não quis negociar com a oposição – que é cara politicamente – e queria à TV Alba e a superintendência administrativa”, afirmou ao justificar a desistência da candidatura e afirmar que as maiores forças políticas da Bahia se uniram para conseguir a presidência da Alba. O projeto de Nilo agora é o Palácio de Ondina em 2022. “Para ser candidato a governador precisa de três coisas: “Primeiro: acreditar em Deus. Segundo: você estar preparado para ser governador e o terceiro o desejo do povo. Se o povo quiser eu saio para governo. Se não quiser sairei para deputado federal”.  Sobre o possível impeachment do presidente Jair Bolsonaro, ele disse que assinou o pedido de impeachment. “Motivos não faltam. Mas a gente precisa se preocupar neste momento exclusivamente com a pandemia”, afirmou.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *