“Se eu fosse advogado de Bolsonaro, única saída seria arguir que ele é insano”, diz Miguel Reale Jr

c8908618-601f-4adc-83b2-89ba7d58ae47.jpeg

(Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O jurista Miguel Reale Jr., coautor do pedido de impeachment que levou ao golpe contra a presidenta Dilma Rousseff, disse que as acusações contra Jair Bolsonaro feitas nesta sexta-feira 24/VI por Sergio Moro, agora ex-ministro da Justiça, são “a consagração” para o impedimento do presidente.

“Ele demonstrou uma conduta de falta de decoro ao longo do tempo. Já tem base para pedido de impeachment há algum tempo. Essa é a penas a consagração”, afirmou Reale Jr. à coluna de Mônica Bergamo na Folha de SP. “É uma afronta ao poder Judiciário, porque a Policia Federal é uma polícia judiciária”, prosseguiu.

Para ele, Bolsonaro age “como um bêbado, que a cada dia vai dando um sinal de bebedeira até o momento em que ele cai no meio do salão. Hoje ele caiu. Eu diria que se eu fosse o advogado do Bolsonaro, a única saída é arguir que ele é insano. Inimputável. E pedir exame de sanidade”, completou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *