Seja bem vindo! Salvador, 20 de Outubro de 2018
   
Notícias
Publicada em 28 de Setembro de 2018 ás 08:39:32 Share

Mourão fala em ‘arapuca’ e nega constrangimento após tuíte de Bolsonaro

O general Hamilton Mourão (PRTB), candidato a vice-presidente da República na chapa liderada pelo deputado Jair Bolsonaro (PSL), negou que esteja pregando o fim do 13º salário e que “arrumaram uma arapuca” para ele, “mais uma vez, ao distorcerem” as suas palavras. Mourão disse ao Estado que “não se sentiu desautorizado” por Bolsonaro, “nem constrangido” e “nem pensou” em se afastar da campanha por causa disso. “Estamos em combate, e quando a gente está em combate, ocorrem estas coisas. A gente tem de ter resiliência e determinação para levar avante aquilo que a gente está pensando”, declarou, depois de ressaltar que esse assunto “morrerá em 24 horas e amanhã a notícia será outra”. Para ele, os assuntos que tinham de estar em voga nesta quinta-feira deveriam ser a saída de Anthony Garotinho da campanha ao governo do Rio, barrado pela Justiça, e o candidato do PT, Fernando Haddad, denunciado por corrupção pelo Ministério Público, ter nomeado tesoureiro de campanha acusado de caixa 2 pela Polícia Federal. Por conta das seguidas polêmicas, com “interpretações distorcidas” de suas falas, Mourão afirmou que pretende se impor silêncio. “Vou ficar igual ao frei Leonardo Boff. Vou ficar em silêncio obsequioso. É uma boa linha de ação”, comentou ele que, no fim de semana pretende visitar Bolsonaro. Mourão informou que, antes de Bolsonaro divulgar o tuíte, lhe mandou a íntegra da mensagem informando o seu teor. “E eu achei que estava muito bem colocado e disse a ele: siga em frente”. O general ressaltou que não se sentiu desautorizado. “Eu não falei o que estão dizendo que eu falei. Falei dentro de um contexto de gerenciamento. Um alerta sobre o custo extra para os empresários e os próprios governos, de um planejamento gerencial necessário para que o 13º salário seja pago, ou seja, governos e empresários devem reservar, ao longo do ano, recursos de modo a fazer frente à despesa. Trata-se de um custo social, que faz parte do chamado custo Brasil”, comentou ele, que também se explicou em uma nota. “Obviamente eu não disse que sou contra o 13º obviamente porque eu não posso ser contra algo que eu recebo, até porque isso é uma cláusula pétrea da Constituição, que não pode ser mexida. O problema é que, dentro deste contexto que estamos vivendo, a pessoa pega e distorce. Estou aguardando a onda passar”. Questionado se achava que, com estas polêmicas causou problemas para a campanha de Bolsonaro, Mourão respondeu: “Não resta dúvida de que se levantou uma polêmica de algo que não era pra ser polêmico porque obviamente a pessoa que lançou isso, fez de má-fé porque não defendi fim de nada porque, repito, 13º é cláusula pétrea da Constituição”. Para ele, “os ataques fazem parte desta histeria coletiva que toma conta nestas vésperas da eleição”. Observou também que, quando visitá-lo, os dois conversarão, com calma. O general Mourão afirmou que a sua agenda de compromissos foi totalmente encerrada nesta quinta-feira e que ninguém mandou ele cancelar nada, “até porque não tem mais nada para cancelar”. Segundo ele, quando Bolsonaro sair do hospital, irão conversar sobre a última semana de campanha. Ele acredita que o candidato do PSL poderá até ganhar as eleições em primeiro turno. Mourão, que é general de Exército da reserva, rechaçou críticas de que poderia haver mal-estar nas Forças Armadas porque Bolsonaro, um capitão, teria desautorizado um general no Twitter, patente superior a dele. Mourão lembrou que Jair Bolsonaro ” é o candidato”, “ele é o político”, justificando que a questão é de campanha. Em seguida, informou: “Bolsonaro é deputado e, por isso mesmo, ele é mais antigo do que eu desde 1990, quando foi eleito. Ele me precede em qualquer cerimônia por ser deputado, conforme manual da Presidência da República. Não existe essa questão hierarquia neste caso. Ele foi capitão e desde 1990 é deputado quando passou a me preceder em qualquer solenidade e nada mudou, assim continua”. O candidato a vice acentuou que “existe uma deslealdade muito grande, que não se discutem as ideias, mas única e exclusivamente se procura distorcer o que está sendo falado”. Na opinião do general, “existe uma campanha de nível muito baixo contra Bolsonaro”.

Estadão Conteúdo

Leia Também
Em plena democracia, a intolerância política faz vítimas

 (Por Fernanda Dourado) As eleições 2018 para os cargos de governadores, senadores, deputados federais e deputados Estaduais foram meras coadjuvantes neste pleito. O brasileiro - focou na batalha entre os candidatos a presidência da República. Apesar de mais politizados, os brasileiros estão, também, mais intolerantes. O que vemos hoje é intransigência às ideias alheias. Os extremistas tanto da direita, quanto da esquerda não aceitam - de maneira alguma - que o outro defenda o que muitos acreditam ser indefensável. A divergência de pensamentos faz parte da democracia e, claro, é louvável que todos intercedam - com unhas e dentes - sua opinião, mas é plausível não repulsar com ódio as alheias. Afinal, vivemos em uma democracia e, não, em uma ditadura. A intransigência política parece ter deixado o Brasil estagnado no século 19 - já que muitos continuam a achar que podem decidir o voto alheio. A intransigência é tanta que a agressão deixou de ser verbal e foi além com a tentativa de homicídio ao candidato à presidência pelo PSL,Jair Bolsonaro, esfaqueado durante um ato político na cidade de Juiz de Fora, no estado de Minas, no dia 6 de setembro. Segundo a polícia federal, o atentado ao presidenciável foi motivado por inconformismo político. Um mês e dois dias após a tentativa de homicídio a Bolsonaro, o mestre de capoeira Moa do Katende foi morto com 12 facadas após uma discussão política, em Salvador, na Bahia, de acordo com a polícia o assassinato também foi por questões políticas quando a vítima disse votaria no PT.

 
Século XXI, expressar posições políticas virou algo perigoso

(Por Fernanda Dourado)

Vale lembrar que a ditadura militar foi um período de governo autoritário no Brasil. Durou 21 anos, iniciou em 1964, mas acabou há 33 anos. Portanto, apesar da modernidade tecnológica ter nos aproximando virtualmente - a mesma revelou o lado autoritário, sombrio, deselegante e  sectarista de muitos eleitores. Quando há divergências políticas nas redes sociais é deplorável ler os comentários. Algumas mensagens imagina-se que não foram escritas por pessoas em plena sanidade mental. Ao invés de tentar convencer o outro através de propostas, as ofensas tomam contam das discussões políticas de ambos os lados. A possibilidade de quem pensa de um jeito vir a pensar de outro, muitas vezes, é deixada de lado pelo radicalismo político e pela afronta a opinião alheia. A intransigência política vem ganhando espaço nos discursos da sociedade, sobretudo nas redes sociais e nos grupos de WhatsApp. Os mais radicais tentam impor a todo custo suas preferências partidárias, seus candidatos e suas ideias às escolhas dos outros. É entristecedor como a sociedade está inflexível e não suporta ser contrariada. O voto além de secreto é soberano. A democracia é um sistema que assegura que a maioria decida. Dessa forma, devamos aceitar a decisão dos brasileiros e torcer por um país de progresso - independente de quem seja o presidente eleito no dia 28 de outubro. 

 
 
Propaganda “contra” de Irmão Lázaro irrita deputados da base de José Ronaldo

 Um político que assistiu anteontem ao programa eleitoral teve a certeza de que o candidato a senador Irmão Lázaro (PSC) pertencia ao grupo do governador Rui Costa (PT) e não ao do candidato a governador José Ronaldo (DEM). Motivo: Lázaro é único candidato que tem feito discurso aberto, no programa eleitoral, contra a aprovação da reforma da Previdência e a Trabalhista, defendidas pelo partido de Ronaldo e de seus apoiadores. Deputados federais que ajudaram na aprovação da reforma trabalhista por considerarem-na importante para o país são os mais indignados com o candidato do PSC. (Com informações da Raio Laser)

 
Perto da eleição, José Trindade decide se licenciar da Câmara de Vereadores
O vereador José Trindade (Pode) decidiu se licenciar do seu mandato na Câmara de Salvador. Em seu lugar, vai assumir Igor Manasses (PSL). A cerimônia de posse do novo integrante da Casa acontece na próxima segunda-feira (13), às 11h. Trindade deve ser candidato a deputado estadual pelo Podemos na eleição deste ano. Nos últimos meses, outros dois vereadores já deixaram a Câmara em razão do pleito. Sidninho (Pode) deixou o posto para trabalhar na campanha política do grupo ligado ao governador Rui Costa, enquanto Joceval Rodrigues (PPS) será candidato a deputado federal.
 
Prefeitos acordam com Rodrigo Maia votação de projetos sobre licitações e ISS
 
 
 
Em marcha ao Congresso Nacional, prefeitos de várias cidades brasileiras acordaram nesta terça-feira (7) com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), a votação da reforma da Lei de Licitações e um substitutivo à reforma do Imposto Sobre Serviço (ISS), para a próxima semana.   De acordo com o presidente da União dos Municípios da Bahia (UPB) e vice-presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Eures Ribeiro, as duas matérias fazem parte da pauta prioritária do movimento municipalista. “Viemos para articulação forte nesse ano eleitoral. Os municípios estão numa situação de penúria e precisam da sensibilidade do Congresso Nacional”, reclamou o gestor, que também é prefeito de Bom Jesus da Lapa, no oeste Baiano.
 
Senado aprova projeto que tipifica crime de importunação sexual

O Senado aprovou nesta terça-feira (7) um projeto de lei que cria o crime de importunação sexual. A tipificação pode enquadrar, por exemplo, casos registrados de homens que ejacularam em mulheres no transporte público. O texto segue para sanção. A aprovação marca os 12 anos da Lei Maria da Penha, que fortaleceu o combate à violência contra a mulher no Brasil. A lei foi sancionada em 7 de agosto de 2006. A importunação sexual é a prática de ato libidinoso na presença de alguém, sem que essa pessoa dê consentimento. Após a sanção, esses atos se tornarão crimes sujeitos a punição de um a cinco anos de prisão.

 
'Se um homem não está aberto a ouvir críticas a sua administração, então que abandone a vida pública”, alfineta diretora executiva da Rádio Líder FM ao referir-se ao prefeito de Irecê

(Por Fernanda Dourado)

Após uma mensagem vazada do prefeito de Irecê, Elmo Vaz, do grupo de WhatsApp da UNIP- da Associação dos municípios de Irecê, o imbróglio entre a emissora Líder FM e o prefeito da cidade parece estar longe do fim. O grupo tem apenas 18 prefeitos – integrantes da Associação e o diretor executivo da instituição, Renilton Souza. Na mensagem, Elmo Vaz afirma que a emissora “passa 24 horas falando mal da gestão dele e inventando mentiras” . Ele também questiona  a função da instituição: “Eu pergunto: para que existe associação de prefeitos? Cadê a união dos prefeitos?”, protesta. O ex-presidente da Codevasf ainda ameaça deixar a instituição. “Se a UNIP nada pode fazer eu estou informando o meu desligamento da instituição e vou cuidar de minha vida sozinho”, disparou. Em um longo texto, Elmo diz que tomará medidas. “Irei reagir e tomar providências, pois não sou covarde e tenho meios pra isso. Também não sou ingênuo e sei que tem um bandido por trás de tudo isso”, ao referir-se de forma subliminar ao dono da Rádio J. Sydnei. No final da mensagem, Elmo ainda faz um pedido aos colegas gestores: "Espero que essa mensagem não saia desse grupo, pois ela não é pública e quando assim quiser fazer será por minha conta", disse. O Bahia Repórter ouviu a diretora executiva da Rádio Lider FM, Débora Suelen, que diz ser intolerável, no contexto de uma sociedade fundada em bases democráticas, a repressão à imprensa. “O interesse social, que legitima o direito de criticar, está acima de eventuais suscetibilidades e desejos pessoais das figuras públicas. Pelas declarações ao grupo da Unip e dadas a imprensa, demonstra claramente que trata-se de uma perseguição pessoal. Se um homem não está aberto a ouvir críticas a sua administração, então que abandone a vida pública. Continuaremos nosso trabalho, zelando pelo compromisso de informar e dar vez e voz a população ainda que isso nos custe a perseguição dos tiranos e opressores. Nosso compromisso é com a sociedade de Irecê e região. Nosso silêncio não está a venda”, bradou. A jornalista acrescenta ainda que o prefeito já esteve várias vezes na emissora e sempre foi atendido com cordialidade e respeito.O Bahia Repórter tentou por diversas vezes contato com o prefeito municipal, mas não obteve sucesso.
 
Intervenções viárias na Avenida ACM começam nesta quarta (1º)

 A partir desta quarta-feira (1º), quem circular pela Avenida ACM deverá ficar atento às mudanças que acontecerão em alguns pontos da via por conta do início das obras da construção de viadutos, elevados e corredores exclusivos de tráfego do BRT. As alterações foram detalhadas pelo superintendente da Transalvador, Fabrizzio Muller, durante coletiva de impren