Seja bem vindo! Salvador, 15 de Fevereiro de 2019
   
Notícias
Publicada em 11 de Janeiro de 2019 ás 08:36:24 Share

Ligado a taxistas, Alfredo Mangueira nega priorizar classe em frente parlamentar

O vereador Alfredo Mangueira (MDB) foi nomeado na última semana para integrar uma frente parlamentar na Câmara de Vereadores de Salvador que vai acompanhar a tramitação do projeto de lei que regulamenta o funcionamento dos aplicativos de transporte individual, como Uber e 99Pop (veja mais). Ligado à categoria dos taxistas, ele nega que vai priorizar a classe e garante que sua atuação vai ser a favor tanto dos motoristas de táxi quanto dos motoristas de aplicativos. Mangueira já até apresentou um projeto de lei que proibia o funcionamento dos aplicativos em Salvador (veja mais). A proposta foi aprovada na Câmara e chegou a ser sancionada pela prefeitura em julho de 2016, mas perdeu validade por força de uma decisão judicial que autorizou o funcionamento do serviço de transporte na capital baiana. O vereador, no entanto, alega que sua defesa pelos taxistas na época aconteceu porque não havia cobrança de impostos sobre a nova atividade. “O Uber estava em Salvador sem pagar imposto, sem pagar nada”, comentou o vereador em entrevista ao Bahia Notícias nesta quinta-feira (10). “Desde que eles paguem impostos, não tem problema, eles podem ficar”, acrescentou. Ele garantiu que sua atuação na frente parlamentar não vai buscar beneficiar um dos lados e vai ouvir todas as partes envolvidas. “Estou defendendo as duas classes”, declarou, em referência a taxistas e motoristas de aplicativos. A frente parlamentar criada pelo novo presidente da Câmara, Geraldo Júnior, tem apenas dois integrantes. Mangueira é o vice-líder, enquanto a liderança é ocupada por Odiosvaldo Vigas (PDT). Segundo o vereador do MDB, a dupla vai organizar audiências públicas para ouvir os trabalhadores que serão atingidos diretamente pelo projeto de lei. “Vamos conversar com as duas partes”, comentou. Atualmente, a matéria que regulamenta o serviço por aplicativo está na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), sem data para ser votada. A relatora do projeto de lei na CCJ, vereadora Lorena Brandão (PSC), avalia como benéfica a criação da frente parlamentar e acredita que ela pode trazer novas ideias para o debate. “Acredito que tudo que vier para acrescentar, nós precisamos escutar. Não tem nada definido, não tem nada rígido”, disse ao Bahia Notícias a vereadora, que já apresentou um parecer com regras mais favoráveis ao funcionamento dos aplicativos, em comparação com o texto encaminhado originalmente pela prefeitura (veja mais).
 

Leia Também
Moro diz que não se encontrou com representantes da Taurus

 A assessoria de imprensa do ministro Sergio Moro informa que ele não se reuniu com Sergio Castilho Sgrillo Filho e Salesio Nuhs, representantes da Taurus.

A nota diz ainda que “não consta” dos registros eletrônicos de acesso do Ministério da Justiça qualquer referência à entrada e saída dessas pessoas.

 
Moro diz que não se encontrou com representantes da Taurus

 A assessoria de imprensa do ministro Sergio Moro informa que ele não se reuniu com Sergio Castilho Sgrillo Filho e Salesio Nuhs, representantes da Taurus.

A nota diz ainda que “não consta” dos registros eletrônicos de acesso do Ministério da Justiça qualquer referência à entrada e saída dessas pessoas.

 
Terça, 12 de Fevereiro de 2019 - 19:00 'Critério técnico é para os outros', diz Robinho sobre nomes do PT para secretarias de Rui

 Deputado estadual pelo PP, Robinho teceu críticas sobre a montagem do secretariado do governador Rui Costa (PT) neste segundo mandato. Para o parlamentar, o petista está mais exigente, tem imposto regras e barrado indicações de partidos da base, mas tem sido mais flexível com os nomes postos pelo PT. 

 

“Critério técnico é para os outros. Para o PT, se faz do jeito deles. Nós temos que ter nomes técnicos, mas o PT é governo e é quem manda”, transcorreu o deputado. Para Robinho, o governador errou ao não aceitar a indicação de Luiz Augusto (PP) para a Secretaria De Infraestrutura Hídrica E Saneamento (Sihs).

 

 
OMS alerta para possível 3ª onda de surto de febre amarela no Brasil
 
Com pelo menos 36 casos de febre amarela confirmados em humanos no período entre dezembro de 2018 e janeiro deste ano, o Brasil poderia estar vivendo uma terceira onda de surto da doença. O alerta foi divulgado esta semana pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O país registra ainda, segundo a entidade, oito mortes confirmadas por febre amarela no mesmo período. Os casos se concentram em 11 municípios de dois estados. Em São Paulo, foram confirmadas infecções em Eldorado (16 casos), Jacupiranga (1), Iporanga (7), Cananeia (3), Cajati (2), Pariquera-Açu (1), Sete Barras (1), Vargem (1) e Serra Negra (1). No Paraná, dois casos foram confirmados em Antonina e Adrianópolis. O local de infecção de um último caso confirmado ainda está sob investigação. Ainda de acordo com a OMS, entre os casos confirmados em humanos, 89% deles foram identificados em homens com média de idade de 43 anos e pelo menos 64% dos infectados são trabalhadores rurais. “Embora seja muito cedo para determinar se este ano apresentará os altos números de casos em humanos observados ao longo dos dois últimos grandes picos sazonais [o primeiro entre 2016 e 2017 e o segundo entre 2017 e 2018], há indicações de que a transmissão do vírus continua a se espalhar em direção ao sul e em áreas com baixa imunidade populacional”, destacou a entidade, por meio de comunicado.
 
Marcelino Galo é eleito líder do PT na Assembleia Legislativa da Bahia

 A Bancada do Partido dos Trabalhadores na Assembleia Legislativa da Bahia elegeu o deputado Estadual Marcelino Galo como novo líder. O deputado assume o cargo no lugar do colega Joseildo Ramos e será responsável por liderar a maior representação partidária da Casa Legislativa, por um período de dois anos. A eleição ocorreu na noite de terça-feira (29) durante reunião de bancada. Eleito por unanimidade, o deputado Marcelino Galo agradeceu o voto de confiança de todos os pares. “Assumo a liderança do PT em um momento crucial da nossa história. Precisamos lutar pela retomada da democracia no nosso país e continuar trabalhando a favor do povo baiano. Estou feliz por exercer esta liderança neste momento tão importante”, declarou o novo líder.

 
Posse de Geraldo Júnior: Maurício Barbosa e Fábio Villas Boas presentes

 

Por Fernanda Dourado 

 

Os secretários do governador, Rui Costa, também marcaram presença na posse do novo presidente da Câmara, Geraldo Júnior. O secretário de segurança pública, Maurício Barbosa, e o secretário de saúde, Fábio Villas Boas, estavam na disputada cerimônia. O secretário de saúde do estado - que chegou até ter seu nome cogitado para disputar a prefeitura de Salvador - não foi incluído na preferência de Rui Costa para permanecer na pasta. O governador petista afirmou a jornalistas que pelo menos três nomes do atual secretariado estariam garantidos. Os preferidos do governador são: o jornalista André Curvello, responsável pela Comunicação, o do atual titular da Fazenda, Manoel Vitório, e o do chefe da Casa Civil, Bruno Dauster. Ou seja, deixou a entender que os outros podem ser substituídos. 

 
Léo Prates diz que Geraldinho é “engenheiro político”

 

Por Fernanda Dourado

 

Em seu discurso de despedida, o ex-presidente da Câmara e deputado estadual eleito, Léo Prates, teceu muitos elogios a Geraldo Júnior, presidente da Câmara, e até o denominou de engenheiro político. “Comunicador nato. Um engenheiro político. A câmara estará em ótimas mãos”, afirmou Prates. Ele também fez um balanço  à frente da Casa ao ressaltar vários feitos, dentre eles, investimento na comunicação da Câmara. Ele ainda disse que levará a experiência do legislativo municipal para o estadual. 

 
Geraldinho também justificou a presença de Maurício Barbosa

 Por Fernanda Dourado 

 

“Muitos vão perguntar aqui por que o secretário de segurança pública do estado, Maurício Barbosa, está aqui. Ele é meu amigo pessoal. Amigo que a vida pública me deu”, afirmou Geraldinho. Apesar de ser um dos nomes respeitados do secretariado, ele também não teve garantia do governador que comandará a pasta.