Seja bem vindo! Salvador, 01 de Abril de 2015
   
Vídeos
Porchat no Programa do Jô fazendo Os Normais
Porchat no Programa do Jô fazendo Os Normais

Veja outros vídeos

Deputado reproduz na Câmara áudio de Dilma com falsas promessas e deixa petistas desesperados
Deputado reproduz na Câmara áudio de Dilma com falsas promessas e deixa petistas desesperados
Cantor italiano morre em pleno palco; veja vídeo
Cantor italiano morre em pleno palco; veja vídeo
Cantor italiano morre em pleno palco; veja vídeo
Cantor italiano morre em pleno palco; veja vídeo
Os maiores vexames da tv
Os maiores vexames da tv
Os maiores vexames da tv
Os maiores vexames da tv
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | > | Última »»

 

Caixa: 100 % pública

 Há 154 anos, a União é o único controlador da Caixa Econômica federal.  Para discutir a abertura de capital como foi previsto pelo governo, a  Comissão de Desenvolvimento Urbano da Assembleia Legislativa da Bahia,  presidida pela deputada Maria del Carmen, promoveu a Audiência Pública  “CAIXA 100% Pública: abertura de capital e seus impactos. Na  audiência, será proposta a elaboração de um documento-manifesto a ser  entregue à presidenta Dilma Rousseff defendendo o caráter público da  Caixa. De acordo com Daniel Azeredo, presidente da Associação do  Pessoal da Caixa Econômica Federal na Bahia, a abertura de capital é um prejuízo para a nação, já que, segundo ele, os bancos privados não investem em programas populares. Ele ressaltou o papel social do banco e de sua importância para o país. O presidente da Federação das Associações Pessoal da Caixa, Jair Ferreira, disse que a abertura de capital da Caixa Econômica Federal para acionistas, quebra o caráter exclusivamente público da instituição, que é uma instituição financeira do Estado brasileiro e tem o dever de exercer atividades e serviços públicos que tenham como objetivo o interesse social e comum da sociedade.

 
"Vamos consertar as crateras que estão surgindo antes que tenha gorgulho na Estrada do Feijão, " afirmou Jurandy Oliveira em audiência na Comissão de Infraestrutura

 (Por Fernanda Dourado) Aeroportos, rodovias, ferrovias, energia e transporte foram os temas discutidos na quarta reunião da Comissão de Infraestrutura com a presença do secretário de infraestrutura com o Secretário de Infraestrutura da Bahia, Marcus Cavalcanti, que esteve no Colegiado para fazer apresentação das atuais e futuras ações da pasta. Durante três horas, dezesseis parlamentares passaram pelo Colegiado e fizeram vários questionamentos. Para o líder do governo, deputado Zé Neto, é necessário um planejamento de transporte coletivo. O petista citou a Pesquisa Origem e Destino, que o governo do estado realizou em Feira de Santana e mais seis municípios de sua região metropolitana, no ano passado, e que foi divulgado este mês os resultados. O deputado estadual Jurandy Oligeira, que não faz parte do Colegiado, mas esteve presente na reunião, parabenizou a presença do secretário do Colegiado, mas cobrou a recuperação da Estrada do Feijão. "Vamos consertar as crateras que estão surgindo antes que tenha gorgulho na Estrada do Feijão", disse Jurandy. De acordo com o deputado Hildécio Meireles, presidente da Comissão de Infraestrutura, a pauta foi extensa e discutida por diversos parlamentares com críticas e sugestões. O Secretário de Infraestrutura da Bahia, Marcus Cavalcanti, falou dos investimentos da pasta no Estado e que vai tomar as providências a respeito das sugestões dos parlamentares.

 
Ato contra Dilma reúne seis manifestantes em Brasília

Ato pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff em frente ao prédio da Petrobrás em Brasília reúne, nesta sexta-feira, 13, seis manifestantes e 12 policiais militares. O movimento foi organizado, por redes sociais, pelo grupo “Revoltados Online”. Marcado para as 17 horas, o protesto reuniu até agora dois carros com adesivos e bandeiras que pedem o impeachment da presidente. Um dos manifestantes veste um colete pedindo a saída de Dilma. A ideia dos ativistas é percorrer, de carro, a Esplanada dos Ministérios, promovendo um buzinaço. Para evitar confronto, eles mudaram a estratégia original e não passarão mais pela rodoviária da cidade, onde organizações como a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) fazem ato nesta tarde pela defesa da democracia. Os manifestantes que estão em frente ao prédio da Petrobrás em Brasília criticaram o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por supostamente ter convocado o “exército do Stédile” para fazer frente às manifestações contrárias ao governo. Uma das organizadoras do ato, a auditora aposentada do Tribunal de Contas da União (TCU) Claudia de Faria Castro, defendeu a saída de Dilma da Presidência da República, mas disse ser contrária à hipótese de intervenção militar. “Intervenção militar, a gente acha incogitável”, afirmou. “Precisamos dar um recado. Acho que o povo tem de amadurecer. Nosso objetivo é dizer que estamos atentos. Não queremos deixar espaço para quem não nos representa”, declarou a manifestante, dizendo acreditar que o impeachment seria capaz “de resolver a curtíssimo prazo os problemas do País”. O professor de inglês e filosofia Edgar de Souza, de Campinas, disse que esta em Brasília há três dias para reforçar o movimento. Segundo ele, a presidente Dilma desrespeita a Constituição e que, por isso, pode ser impedida. “O governo perdeu a moralidade, a eficiência e não tem transparência. Collor foi cassado por muito menos. Temos um desmando no governo”, afirmou.

 
Com fusão entre DEM e PTB, governistas sinalizam com ida para oposição

 Com o acordo de fusão entre DEM e PTB praticamente fechado, parlamentares e políticos de partidos aliados ao PT na Bahia iniciaram negociações para ingressar na legenda que juntará democratas e petebistas. Ao menos seis governistas, incluindo deputados estaduais e federais, já sinalizaram o interesse de trocar a base petista pela oposição. Esperam apenas as duas siglas oficializarem o casamento, processo que avançou bastante nos últimos dias, a reboque do movimento de debandada detectado no arco de sustentação do Planalto, no Congresso. “Em conversas com colegas da Câmara e do Senado, é nítida a sensação de que o governo da presidente Dilma Rousseff está se desmontando de maneira irreversível. 

 
Saúde

 (Por Fernanda Dourado) Era para ser apenas uma apresentação do Programa de Estruturação de Consórcios Interfederativos de Saúde (PROCIS-BA), pelo secretário estadual de Saúde, Fábio Vilas-Boas, mas a reunião discutiu assuntos diversos relacionados a saúde no Estado da Bahia com demandas e sugestões de deputados.  A reunião atraiu deputados estaduais, médicos e assessores. De acordo com o secretário de Saúde, Fábio Vilas-Boas, até 2016 a expectativa é que sejam construídas 10 consórcios e 10 policlínicas em todo o Estado da Bahia. O investimento é de 12 milhões cada policlínica. Cada políclica terá 16 especialidades.  As principais vantagens dos consórcios são a ampliação do acesso ao atendimento e exames específicos. O  secretário explicou os critérios nas escolhas das cidades para implementar os consórcios. Ainda de acordo com o secretário de Saúde, Fabio Vilas-Boas, os consórcios já foram adotados com sucesso no estado do Ceará. Para detalhar o modelo implantado no Estado, a secretária contratou o ex-deputado federal e ex-secretário de saúde do Ceará, João Ananias. Por sugestão do deputado estadual, José de Arimatéia, os parlamentares devem visitar o Ceará para conhecer de perto como funciona o consórcio. O deputado estadual e líder do governo, deputado estadual, Zé Neto, disse que vai convidar também os deputados da oposição à visita. Para presidente do colegiado, deputado Alan Sanches, a visita foi proveitosa.

        

 
Saúde

 (Por Fernanda Dourado) Era para ser apenas uma apresentação do Programa de Estruturação de Consórcios Interfederativos de Saúde (PROCIS-BA), pelo secretário estadual de Saúde, Fábio Vilas-Boas, mas a reunião discutiu assuntos diversos relacionados a saúde no Estado da Bahia com demandas e sugestões de deputados.  A reunião atraiu deputados estaduais, médicos e assessores. De acordo com o secretário de Saúde, Fábio Vilas-Boas, até 2016 a expectativa é que sejam construídas 10 consórcios e 10 policlínicas em todo o Estado da Bahia. O investimento é de 12 milhões cada policlínica. Cada políclica terá 16 especialidades.  As principais vantagens dos consórcios são a ampliação do acesso ao atendimento e exames específicos. O  secretário explicou os critérios nas escolhas das cidades para implementar os consórcios. Ainda de acordo com o secretário de Saúde, Fabio Vilas-Boas, os consórcios já foram adotados com sucesso no estado do Ceará. Para detalhar o modelo implantado no Estado, a secretária contratou o ex-deputado federal e ex-secretário de saúde do Ceará, João Ananias. Por sugestão do deputado estadual, José de Arimatéia, os parlamentares devem visitar o Ceará para conhecer de perto como funciona o consórcio. O deputado estadual e líder do governo, deputado estadual, Zé Neto, disse que vai convidar também os deputados da oposição à visita. Para presidente do colegiado, deputado Alan Sanches, a visita foi proveitosa.

        

 
Finanças

(Por Fernanda Dourado)

 Deputados estaduais governistas e oposicionistas estavam atentos à apresentação do secretário da Fazenda do Estado, Manoel Vitório, que apresentou o balanço do terceiro quadrimestre de 2014 do Estado, em audiência pública realizada pela Comissão de Orçamento, Finanças e Controle da Assembleia Legislativa da Bahia. Durante o encontro, comandado pelo presidente do colegiado, deputado estadual Alex Lima, Vitório apresentou a avaliação do cumprimento das metas fiscais do ano anterior, analisou as perspectivas para esse ano e sobre os desafios que as finanças estaduais em 2015, em consequência da crise. Durante o encontro, o secretário tranquilizou os baianos ao lembrar da pesquisa apresentada pelo jornal Folha de São Paulo na última semana, que coloca o Estado baiano como um dos oito estados do país a fechar as contas de 2014 com superávit. Apesar das palavras, os opositores que fizeram vários questionamentos ao secretário não concordaram com a explanação. O líder do governo, Zé Neto, diz que a apresentação foi convincente e que a oposição faz o papel dela.

 
Assembleia Legislativa: Eleição para presidente da Casa

(Fernanda Dourado) 

A sessão durou cinco horas e foi interrompida por diversas vezes. No início, dois candidatos disputavam a presidência da Assembleia Legislativa: os deputados Marcelo Nilo, do PDT e Rosemberg Pinto, do PT.  Durante a reunião, o parlamentar petista falou que a candidatura do adversário era inconstitucional, resolveu não participar mais do pleito e se retirou do plenário com todos os outros 10 deputados do PT. Sem a bancada do Partido dos Trabalhadores, o presidente da sessão, deputado Reinaldo Braga, conduziu os trabalhos. Um a um, os parlamentares escolheram a nova mesa diretora da Casa do povo para o período 2015/2016. O deputado estadual Marcelo Nilo, que está em seu sétimo mandato, foi eleito pela quinta vez consecutiva presidente da Assembleia Legislativa da Bahia. Dos sessenta e três deputados, 52 votaram. Apenas um parlamentar votou nulo. A nova mesa diretora ficou formada pelo presidente da Casa, deputado estadual, Marcelo Nilo, e mais oito parlamentares:  deputado Adolfo Menezes, do PSD, foi eleito como 1º vice-presidente da Casa. A vaga de 2º vice-presidente foi ocupada pelo o democrata Tom Araújo do DEM. A 3ª vice ficou com o deputado Carlos Geilson do PTN. Na quarta vice-presidência, foi eleito o deputado pastor Sargento Isidório (PSC). Na 1° secretaria, o deputado Leur Lomanto do PMDB. Na 2ª secretaria, o deputado Aderbal Caldas do PP. A 3ª secretaria vai ser ocupada por Fabrício Falcão do PCdoB. A  4ª secretaria vai ser ocupada pelo deputado Sidelvan Nóbrega (PRB).  O 1° vice-presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, deputado estadual Adolfo Menezes, diz estar feliz em ser conduzido ao cargo por unanimidade dos 52 parlamentares que votaram. Para o presidente da Assembleia, Marcelo Nilo, que foi escolhido dez vezes consecutivas como destaque parlamentar e diz ter sido procurado pelos próprios colegas parlamentares para disputar novamente a presidência da Casa, assumir o mais alto cargo do Poder Legislativo é um compromisso que sempre se renova.